Adeus, batucada

Synval Silva

Entusiasmada com o samba “Coração”, Carmen Miranda propôs ao autor, Synval Silva: “Se você me trouxer uma música que alcance a metade do sucesso de “Coração”, eu lhe darei três contos de réis”. E Synval trouxe-lhe “Adeus, batucada”, que suplantaria “Coração” e outros sucessos, tornando-se um dos números mais representativos de seu repertório.

Choroso, sentimental, um belo canto de despedida (“Adeus! Adeus! Meu pandeiro do samba / tamborim de bamba, já é de madrugada / vou-me embora chorando…”), “Adeus Batucada” foi executado no carrilhão da Mesbla, por ocasião do funeral de Carmen Miranda.

Extraído de http://cifrantiga3.blogspot.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Depois de Londres, Caetano deu o maior susto naquela juventude que queria mudar o mundo, e esperava as mais eletrificadas revoluções musicais. Caetano chegou olhou no fundo do olho da TV, e tocou ao violão “Adeus, batucada”. Tinha ido embora chorando, mas com o coração sorrindo. Ninguém entendeu bem, mas Carmen era o Pós-Tropicalismo de Caetano Veloso.

“…eles mostraram esperar de mim uma versão mais madura e mais sofisticada daquilo que estavam aprendendo a cultuar: uma fusão do pop inglês com o samba-jazz carioca. Entrei apenas com meu violão e cantei “Adeus, batucada”, o genial samba de Synval Silva que fora a mais bela gravação de Carmen Miranda (ouça adiante!). Nada podia ser mais fiel à história tropicalista: um contraste gritante com o samba-jazz e com a fusion, uma referência à Carmen Miranda e justamente com um samba em que a grande exilada da música popular brasileira dizia que ia embora – chorando, mas com o coração sorrindo – pois ia – deixar todo mundo valorizando a batucada – a garotada ficou perplexa e decepcionada”.

(Pedaço do “Verdade Tropical”, pag. 466, sobre a participação de Caetano no programa Som Livre Exportação, apresentado por Ivan Lins na TV Globo)

Extraído de https://porsegundorotacoes.wordpress.com

 

X.X.X.X.X.X.X.X.

 

A história sobre a criação de “Adeus, batucada” já foi contada inúmeras vezes pelo seu autor. Synval informa que o samba surgiu quando Carmen Miranda, aos prantos, lhe contou que uma cigana, após leitura das mãos, previu sua morte aos 26 anos. Carmen ficou abalada com a previsão, e Synval, na tentativa de tirá-la daquela tristeza, lhe prometeu um samba que faria muito sucesso. De fato, o êxito foi estrondoso.

Carmen Miranda(1935)

Tags: adeus / batucada / Caetano / miranda / Synval /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *