Adeus

Ismael Silva & Noel Rosa & Francisco Alves

O samba, composto em 1932, é uma homenagem póstuma ao parceiro Nilton Bastos, que morrera no ano anterior. Gravada originalmente pela dupla Castro Barbosa e Jonjoca (ouça adiante!), foi regravada em 1975 por outra dupla, Vinícius de Moraes e Toquinho (ouça adiante!): “Adeus, adeus, adeus/Palavra que faz chorar/Adeus, adeus, adeus/Não há quem possa suportar/O adeus é tão triste/E não se resiste/Ninguém jamais/Com o adeus pode viver em paz (…)”.

Extraído de http://cifrantiga3.blogspot.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Gravação Victor de 12 de abril de 1932, lançada em maio do mesmo ano, disco 33548-B, matriz 65451. O samba teria sido composto como homenagem póstuma a Nilton Bastos, o parceiro de Ismael Silva falecido um ano antes, mas a dúvida fica por conta dos versos “Sem teu amor/ esta vida não tem mais valor”.

Extraído de Samuel Machado Filho

Jonjoca & Castro Barbosa & Grupo da Guarda Velha(1932)

 Toquinho & Vinicius de Moraes(1975)

Tags: adeus / Alves / castro / Guarda / Ismael / Jonjoca / noel / toquinho / Vinicius /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *