Apelo

Baden Powell & Vinícius de Moraes

Pertencendo, como foi dito, à linha chopiniana adotada por Tom Jobim em “Insensatez” e “Retrato em branco e preto”, “Apelo” é um dos maiores sucessos da dupla Baden Powell-Vinícius de Moraes. Sucesso que, pode-se afirmar, se deve em boa parte à bela melodia de Baden, superior à letra de Vinícius (“Ah! Meu amor não vás embora / vê a vida como chora / vê que triste esta canção…”), romântica, bem construída, mas sem o brilho de tantas outras desse período de produção intensa, em que ele abasteceu repertórios de vários parceiros.

Lançado por Sílvio Aleixo no início de 66 (ouça adiante!), “Apelo” ganhou nesse ano gravações memoráveis como a de Elizeth Cardoso, dramática, densa, emocionada, a de Dóris Monteiro, tranqüila, intimista, ou a do próprio Baden, um primor de sensibilidade e técnica violonística (ouça adiante!) (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Extraído de http://cifrantiga3.blogspot.com.br

Silvio Aleixo(1966)

Baden Powell(1966)

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Em “Apelo” a poesia de Vinícius atinge numa rara beleza simultaneamente a emoção e a tristeza da separação de dois amantes, onde um deles confessa seus erros mas faz através dos versos de Vinícius um comovente “apelo” para que o outro retorne.

Nesta maravilhosa composição houve uma complementação perfeita entre os versos de Vinícius e a música de Baden.

Extraído de http://www.paixaoeromance.com

Tags: Aleixo / Apelo / baden / Vinicius /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *