Brasil pandeiro

Assis Valente

O samba “Brasil pandeiro” foi composto por Assis Valente para Carmen Miranda, por ocasião da volta da cantora, após seu período inicial de atuação nos Estados Unidos. Mas Carmen não gostou da composição, que acabou sendo lançada pelos ‘Anjos do Inferno’ (ouça adiante!).

De feitio diferente dos sambas ufanistas da época, “Brasil pandeiro” é, pode-se dizer, um samba-exaltação ao estilo de Assis Valente ( “Eu quero ver o Tio Sam tocar pandeiro para o mundo sambar / o Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada /(…)/ Brasil, esquentai vossos pandeiros / iluminai os terreiros / que nós queremos sambar-ô-ô…”).

Preferido dos maiores conjuntos vocais de seu tempo, Assis Valente reviveria a tradição mesmo depois de morto, quando em 1972 “Brasil pandeiro” faria enorme sucesso nas vozes dos Novos Baianos (confira em ‘O tempo não apagou’).

Extraído de http://cifrantiga3.blogspot.com.br/

Anjos do Inferno(1941)

 

X.X.X.X.X.X.X

 

“Brasil pandeiro” é um samba-exaltação composto por Assis Valente, onde o autor baiano exalta o samba e o povo brasileiro. Junto a “Recenseamento”, havia sido composta especialmente para Carmem Miranda, então recém-chegada dos Estados Unidos em 1940, que gravou aquela mas, sobre “Brasil pandeiro”, soltou: “Assis, isso não presta. Você ficou borocoxô”, Valente ficou magoado, principalmente porque a canção adquiriu grande reputação tardia sob a regravação dos ‘Anjos do Inferno’. Anos mais tarde, foi popularizada e regravada pelos ‘Novos Baianos’ em 1972 no álbum ‘Acabou Chorare’, sob a sugestão do mentor do grupo João Gilberto, mas aí Valente já havia falecido.

“Brasil pandeiro” é quase um hino compatível à “Aquarela do Brasil” que, inclusive, possui um motivo rítmico do acompanhamento repetido na canção de Valente, com intenção de imitar o tamborim, e mostra que a escolha do pandeiro como instrumento enquanto adjetivo da nação eleva a batucada ao patamar de valor cultural relevante, pertencente ao domínio dos personagens do mundo do samba.

Extraído de https://pt.wikipedia.org

 

X.X.X.X.X.X.X

 

É uma pena que nenhum dos componentes do ‘Novos Baianos’ tenha dado continuidade ao som (a mistura de instrumentos e a pesquisa de ritmos) que o grupo lançou. Solo, cada um seguiu (ou abriu) trilhas sonoras diferentes. Mas isso, afinal, só adensa a força dos discos da turma.

Reza a lenda que foi de João Gilberto e ideia de o ‘Novos Baianos’ relançarem “Brasil pandeiro”, samba de 1941, de Assis Valente. O samba que canta o Brasil como a vértice e o motor da energia dançante do mundo abre o segundo disco do grupo: ‘Acabou Chorare’ (1972).

O disco até hoje é fonte de pesquisa e de inspiração, para músicos e cantores. As referências a certa musicalidade mais declaradamente nacional e tropical – sem pecado e sem juízo porque abaixo do Equador – são as marcas do disco.

“Brasil pandeiro” auxilia o projeto do ‘Novos Baianos’ no desejo de louvar as misturas brasileiras e de mostrar como tais misturas simbolizam e significam o país. “Brasil pandeiro”, finda sendo uma resposta carnavalizada ao olhar exótico de tio Sam sobre nós: se ele dá as regras econômicas, nós damos o motivo da alegria. E o samba (dessa gente bronzeada) é a melhor resposta da nossa identidade cordial: nosso valor.

Se na década de 1940 o samba despertou o interesse dos norte-americanos através de Carmen Miranda (que recusou gravar “Brasil pandeiro”), o ‘Novos Baianos mostra que o encanto do estrangeiro sobre nosso estranho jeito de ser e viver continua.

Os arranjos de craviola de Pepeu Gomes, os vocais de Baby Consuelo, Paulinho Boca de Cantor e Moraes Moreira dão ao samba de Assis Valente sofisticação e atitude exatas para apresentar um povo que pede ajuda à padroeira, prova do molho da baiana, se deixa iluminar pelos terreiros e faz batucada.

Extraído de http://365cancoes.blogspot.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X

 

“Estávamos influenciados pelo rock, ouvíamos muito Jimi Hendrix, Janis Joplin, todas aquelas bandas dos anos 70. Mas foi ali, com o João Gilberto, que a gente acordou para o samba. Quando ele nos mostrou “Brasil pandeiro”, do Assis Valente – chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar o seu valor –, entendemos qual era a mensagem dele. Começamos a incorporar no nosso som o cavaquinho, o pandeiro, tudo isso, sem perder a pegada do rock. Era samba com energia de rock. Foi isso que fez os ‘Novos Baianos’ chegar diferente. Fizemos o disco ‘Acabou Chorare’, foi um marco.”

Extraído de Moraes Moreira numa entrevista em 2010

 

X.X.X.X.X.X.X

 

No programa “Brasil Sonoro” levado ao ar no dia 19/03/2016, pela E-Paraná – 97,1 FM e 630 AM, a canção “Brasil pandeiro” foi por nós lembrada no quadro ‘QUAL DELAS ?’ (ouça adiante!),

 

Tags: Brasil / Inferno / Pandeiro / Valente /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *