Com muito amor e carinho

Chil Deberto & Eduardo Araújo

Composição de Eduardo Araújo e Childeberto lançada em março-abril de 1968 por Roberto Carlos, lado B do compacto simples “San Remo” e também na coletânea “As 14 mais – volume 21″, lado A (ouça adiante!). Eduardo Araújo deve ter feito a música para homenagear a futura esposa Silvinha. Música executada até hoje em programas de rádio saudosistas da Jovem Guarda por todo o país.

Extraído de http://musicpoesia.blogspot.com.br

Roberto Carlos & Coro(1968)

 

X.X.X.X.X

 

“Com muito amor e carinho”, lado B do compacto simples daquele ano, não fez muito sucesso por causa da força de execução nas rádios pela música do lado A. “Eu te amo, te amo, te amo” (Roberto & Erasmo) abafou completamente essa bela canção.

Extraído de Músicas de vinil

 

X.X.X.X.X

 

NAMORADOS, NAMOREM!

Paulo Roberto França

Sou do tempo em que simplicidade de um namoro estava num pegar de mãos após jogar dama com a amada. Sou do tempo do amasso no portão, da dança lenta e beijante da festa, do detalhe, da serenata depois de um porre, errando a casa da pretendida. Sou do tempo até da tentativa de renovar um namoro mandando bouquet de rosas e a decepção do silêncio. Passei muito tempo duvidando do poder das flores. Passa o tempo, mas o namoro nunca sai de moda. Não sei como esta galera consegue no primeiro encontro ir pro motel e só no dia seguinte perguntar o nome do outro via sms. Não, não derrotem o namoro. Nele está a pureza do abraço, do beijo, do bate papo, do romantismo. Queira a sorte de um amor tranquilo com sabor de fruta mordida, como cantava Cazuza, mas quando não acertar, faça como o próprio Barão Vermelho, que se dizia sempre romântico e esperançoso de encontrar um novo amor na próxima esquina. Sou desses tempos, porém se agora eles são outros, não desanime, caro leitor, vem o avanço da idade, filhos, stress, tpms delas, aporrinhações de todas as formas, mas não esmoreça do namoro. Procure-o nas flores, nas músicas, nas velas, na cama como se fosse a primeira vez, num simples jantar, num café da manhã servido no leito, a base de biscoitos finos, geleia de damasco e chá, mas não cometa a loucura do descaso, deixando a impressão no parceiro que o sonho acabou, porque se acabou, tchau, tchau. Não adianta nem tentar, salvo se o erro for reparado e vier a indescritível sensação do recomeço, cheio de perdões, choros, abraços e juras eternas, porque ele, o namoro, tende a ser sempre dos vencedores, dos que relevam, dos que cedem, dos delicados, dos que querem compreender e viver o seu auge que é o amor. Reinvente o namoro. Se noivo, namore ainda, se casado, namore muito mais. Viva o amor!

Extraído de https://rec2010.blogspot.com.br

Tags: amor / Araujo / carinho / Deberto / muito / Roberto /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *