Máscara negra

Zé Keti & Pereira Matos

Ainda prestigiado pelo sucesso do show “Opinião”, Zé Kéti ganhou o carnaval de 67 com a marcha-rancho “Máscara Negra”. Reproduzindo o lirismo suave que caracteriza o gênero, a composição trata do reencontro de um pierrô com uma colombina que conhecera no carnaval anterior.

E, ao contrário de outras canções inspiradas na “commedia dell’arte”, aqui é o arlequim quem chora pelo amor de colombina: “Tanto riso / oh, quanta alegria / mais de mil palhaços no salão / arlequim está chorando pelo amor da Colombina / no meio da multidão”. Tendo acontecido numa época em que a música carnavalesca tradicional saía de moda, o sucesso de “Máscara Negra” pode ser considerado uma façanha.

A propósito, este sucesso chegou a gerar uma polêmica sobre a coautoria da composição, que seria de Deusdedith Pereira Matos e não de seu irmão Hildebrando, conforme consta na edição. Mas, como os dois já haviam morrido na ocasião, a questão não teve maiores consequências, entrando “Máscara Negra” para o repertório de Dalva de Oliveira como um de seus últimos sucessos (ouça adiante!) (A Canção no Tempo – Vol. 2 – Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Editora 34).

Extraído de http://cifrantiga3.blogspot.com.br

Dalva de Oliveira & Coro(1966)

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X

Clássica marcha-rancho lançada em 3 gravações: esta, de Dalva de Oliveira, na Odeon, a de Wilson Simonal, na mesma marca, e a do próprio Zé Kéti (ouça adiante!), na Mocambo. Avassalador hit do carnaval de 1967.

Extraído de Samuel Machado Filho

Ze Ketti & Coro(1966)

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Gravada pela primeira vez em 1966, “Máscara negra” foi sucesso em uma época que as músicas tradicionais do Carnaval estavam saindo de moda. Composta por Zé Kéti em parceria com Hildebrando Matos, venceu o 1º Concurso de Músicas de Carnaval, criado naquele ano pelo Conselho Superior de MPB do Museu da Imagem e do Som (MIS).

O sucesso foi tanto que a “General Electric” contratou Zé Kéti para ser garoto propaganda de um lançamento de modelo de televisão. O nome do novo aparelho era “Máscara Negra”, por causa da tela mais escura, que realçava os efeitos do preto e branco da imagem (veja adiante!).

Tags: carnaval / Keti / Máscara negra / Matos / pereira / TV /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *