Molambo

Jayme Florence(Meira) & Augusto Mesquita

Augusto Mesquita foi um grande compositor da música popular brasileira. Mas foi também um grande boêmio, reunia-se todas as noites com seus amigos num botequim e lá se deixavam dominar eles, inebriados pelos versos embandeirados de belas melodias, madrugadas afora, não se deitavam antes das oito da manhã.

E no dia seguinte, o mesmo encontro no mesmo boteco. As mesmas canções, algumas outras canções, às vezes canções inéditas, entremeadas de bate-papos enquanto a noite escorria.

Augusto Mesquita era sem dúvida o camarada mais querido da roda. Pelo seu espírito, pelo seu vezo poético, pelas anedotas e mentiras que contava, era uma espécie de João Saldanha, o maior bate-papo do Rio de Janeiro, porque contava mentiras adornando-as com verdade e uma cultura que o fez correspondente de guerras. Durante 10 anos aquela turma se encontrou no mesmo bar. Pareciam ser irmãos, mais que amigos.

Um dia, Augusto Mesquita chegou ao boteco com ar grave e comunicou à roda que se apaixonara e estava morando num apartamento de sua amada, em Copacabana.

Durante cinco anos, Augusto Mesquita não compareceu mais ao bar onde cultivava sua boemia com o grupo de amigos.

Até que um dia Mesquita rompeu com sua amada e retornou ao bar. Durante um ano seguinte ele voltou à roda, à boemia e ao bar em que sempre se encontraram. Os amigos tinham se renovado de alegria por seu retorno.

Até que, exatamente um ano depois de ter-se desligado de seu amor, Augusto Mesquita chegou no bar, pediu a Jayme Florence que o acompanhasse no violão e cantou o seguinte samba, que fizera um dia antes: “Eu sei que vocês vão dizer/ que é tudo mentira/ que não pode ser/ porque depois de tudo o que ela me fez/ eu jamais deveria /aceitá-la outra vez/ lamento mas fiquem sabendo/ que ela voltou e comigo ficou/ ficou pra matar a saudade/ a tremenda saudade/ que não me deixou / que não me deu sossego um momento sequer/ desde o dia que ela me abandonou /ficou pra impedir que a loucura/ fizesse de mim / um molambo qualquer/ ficou desta vez para sempre… / se Deus quiser!”.

E nunca mais Augusto Mesquita foi visto naquele bar ou em qualquer outro bar ou roda boêmia do Rio de Janeiro naquela época de Noel Rosa.

Extraído de http://www.letras.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X

 

Samba-canção clássico, de autoria do violonista Jayme Florence, o Meira dos regionais, em parceria com Augusto Mesquita. A presente gravação é a original, lado A do 78 de estreia da cantora Julinha Silva (ouça adiante!), o Todamérica TA-5334, gravado em 18 de junho de 1953 e lançado em setembro do mesmo ano, matriz TA-487.

Extraído de Samuel Machado Filho

Julinha Silva(1953)

Tags: Florence / Julinha / meira / Mesquita / Molambo /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Maricéu Mello disse:

Acho linda esta composição com tudo que tem direito, e como cantora aprendiz costumo canta-la em alguns lugares.

Henrique Alberto Alves de Oliveira disse:

A curiosidade agradece…muito interessante o texto acerca da música título pesquisada…obrigado e boa sorte