O meu guri

Chico Buarque

Contexto Geral

A pequena narrativa, por que não dizer pequeno conto, se passa no morro carioca “Chega no morro com o carregamento”, em tempos atuais, a narrativa é cronológica “De repente acordo, olho pro lado”, onde descreve o dia-a-dia, o ardil, e, os progressos das personagens; Psicológica, basta nos depararmos quando a mãe evoca “E na sua meninice ele um dia me disse / Que chegava lá…” anunciando que num passado (superficialmente próximo), em meio à pobreza e a vida difícil, ele, o filho jura que dias melhores virão, virão de uma forma ou de outra.

Sendo assim, é fácil deduzirmos que tendo como maus exemplos o tráfico, os assassinatos, corrupção, extorsão policial, prostituição, a ida e vinda do tal dinheiro fácil, o molde desse Guri tenha sido o que o autor vem a retratar na letra. Chico Buarque faz o raio-x não só das favelas cariocas, mas de todas as favelas, ou grandes acúmulos de pessoas carentes, miseráveis etc., do Brasil (ouça adiante!).

A personagem principal um “delituoso”, menor, “Chega estampado, manchete, retrato” e como secundários a mãe, ainda jovem, “Quando, seu moço, nasceu meu rebento”, e o repórter a quem a genitora do “guri” narra sua pequena saga, do berço pobre a morte pela policia, a quem a mãe chama de seu moço “Desde o começo, eu não disse, seu moço?”.

Em suma, a letra aponta de maneira poética, até mesmo delicada, fatos cotidianos dessa grande classe carente, a tempos abdicadas das coisas mais simples, como um emprego, saneamento básico, escolas, faculdades… Uns com tanto, outros com quase nada, outros com mais nada ainda. A geografia “civil” do Rio de Janeiro é o marco do contraste econômico brasileiro, creio ser o mais significativo, de um lado o morro, a favela, o tráfico, de outro o Cristo, que muitos do morro dizem estar de costas para eles, Copacabana, Ipanema, linha amarela divisa de bens, amarela divisa de saúde.

Marcas do dialeto social popular

As letras, de Chico Buarque em cunho social, como elucidação do que realmente é o carente são muito fáceis de se detectar, já que esse é o pano de fundo do compositor, escritor, dramaturgo e músico, se nos debruçarmos sobre o texto “Calabar”, por exemplo, veremos marcas do tal “dito popular”, como a personagem Bárbara, Ana e o próprio Calabar, que ver de CALA a boca BAR-bara, onde a censura, à admoestação, impedia os artistas de abordarem os fatos sociais, políticos e até mesmo artísticos, não muito longe encontraremos “A Ópera do Malandro”, nela nos deparamos com Geni, prostituta, o Malandro carioca entre outros tipos fáceis de se detectar em nosso cotidiano, muitos são os textos onde Chico aborda a classe carente, e, o contraste entre classes, nesse ponto um tipo significativo é o seu primeiro romance “Estorvo”, onde a personagem migra entre a classe alta e a classe baixa, descrevendo a coluna econômica brasileira de forma dilacerante.
O que acima retrato é tão somente, a parte de uma obra tão significativa de um autor que tem como preocupação, ao menos o tinha, o revelar, o desvendar o que se passa, se passou ou quem sabe se passará numa megalópole milionária que é o Brasil inacessível.

A letra de “O meu guri” é um ponto minúsculo, micro, de uma obra voltada a preocupação social, de um compositor politizado, lido…, de estirpe. A raiz principal, da letra aqui abordada, é, tão somente revelar o que é de fato a vida no morro carioca, com suas figuras bem conhecidas por todos, porém o autor com sua malícia nos leva muito além de que os olhos nus podem ver, como por exemplo, a mãe menina que concebe outra criança, criança que cuida de criança, criança que vê no filho seu homem, o fálico invertido, de mãe para filho / marido. Por fim, o que os olhos de poder e governo não querem ver, encobrindo com luzes e escadas rolantes para inglês ver.

As marcas dialéticas são fáceis de ser encontradas, basta analisar o conteúdo do solilóquio da mãe desse guri, o uso do português coloquial “Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro”, “Boto ele no colo pra ele me ninar”, o uso constante de “seu moço”, que arremete uma marca social de pessoa simples se explicando a uma pessoa importante, de classe alta. O próprio título carrega essa marca, “O meu guri”, percebesse a contiguidade popular, “Chega no morro com o carregamento / Pulseira, cimento, relógio, pneu, gravador” estes dois versos transplantam para a letra as marcas de algumas gírias de grupos periféricos, como pneu = carro, pulseira = joias etc., poderíamos até, quem sabe, dizer que esse cimento venha a ser a droga vendida, e, consumida no morro.

Percebesse na obra a diacronia, como se estivéssemos lendo, ou, assistindo um telejornal sensacionalista, onde encontramos esses tipos “Chega estampado, manchete, retrato / Com venda nos olhos, legenda e as iniciais” crianças que se perdem num mundo de treva, de dor e de um futuro abortado.

Extraído de http://vervetente.blogspot.com.br

Chico Buarque & Coro(1981)

Tags: Buarque / Meu guri /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *