Pastorinhas

Noel Rosa & Braguinha

No final de 1934 Braguinha propôs a Noel numa mesa do Café Papagaio : “Noel, vamos fazer uma música com aquele ritmo das pastorinhas que desfilam em Vila Izabel na noite de Santos Reis ?” Proposta aceita, pediram lápis, papel e cafezinho e em pouco mais de meia hora compuseram “Linda Pequena” com participação de ambos tanto na letra como na melodia. Não obteve muito sucesso inicialmente, mas Braguinha fez pequenas alterações na letra e no título, mudando “moreninhas” por “pastorinhas” e “pequena” por “pastora” e o verso “pequena que tens a cor morena” por “morena da cor de Madalena” mudando o título para “Pastorinhas”, foi gravada no final de 1937 por Silvio Caldas, tendo alcançado grande sucesso, inclusive como forte candidata ao título de melhor marcha para o carnaval de 1938. Fato curioso foi o resultado inicial desse concurso promovido pela Prefeitura do Rio de Janeiro: a vencedora inicialmente foi “Touradas em Madrid” do Braguinha e Alberto Ribeiro, com “Pastorinhas” em segundo lugar; mas houve protestos com a alegação de “Touradas em Madrid” ser “paso doble” e não “marchinha”; após muita discussão a vencedora foi “Pastorinha” do mesmo Braguinha e Noel. É até hoje grande sucesso de carnaval e de público.
Extraído de Dárcio Fragoso

Marcha-rancho clássica de autoria de João “Braguinha” de Barro e Noel Rosa. Inspirada no ‘Rancho das Pastoras de Vila Isabel’, foi lançada originalmente com o nome de “Linda pequena”, em 1935, na interpretação de João Petra de Barros (ouça adiante!), sem no entanto repercutir. Após o falecimento de Noel, em 1937, Braguinha, não entendendo o porquê do fracasso da composição, decidiu relançá-la para o carnaval de 38, com uma ou outra alteração na letra e o novo título de “Pastorinhas”. Assim foi imortalizada na Odeon por Sílvio Caldas, em 13 de dezembro de 37 (ouça adiante!), com lançamento um mês antes da folia, em janeiro de 38, disco 11567-A, matriz 5733. Além de ter sido um dos maiores sucessos carnavalescos de todos os tempos, “Pastorinhas” venceu o concurso oficial da prefeitura do Rio de Janeiro, sendo lembrada até hoje com justiça.

Extraído de Samuel Machado Filho

Linda pequena (Noel Rosa & Braguinha) – Joao Petra de Barros & Coro(1934)

Pastorinhas (Noel Rosa & Braguinha) – Silvio Caldas & Coro & Napoleao Tavares e seus Soldados Musicais(1937)

 

X.X.X.X.X.X.X.X

 

No final de 1934 Braguinha propôs a Noel numa mesa do ‘Café Papagaio’ : “Noel, vamos fazer uma música com aquele ritmo das pastorinhas que desfilam em Vila Izabel na noite de Santos Reis ?”

Proposta aceita, pediram lápis, papel e cafezinho e em pouco mais de meia hora compuseram “Linda pequena” com participação de ambos tanto na letra como na melodia. Não obteve muito sucesso inicialmente, mas Braguinha fez pequenas alterações na letra e no título, mudando “moreninhas” por “pastorinhas” e “pequena” por “pastora” e o verso “pequena que tens a cor morena” por “morena da cor de Madalena” mudando o título para “Pastorinhas”, foi gravada no final de 1937 por Silvio Caldas, tendo alcançado grande sucesso, inclusive como forte candidata ao título de melhor marcha para o carnaval de 1938. Fato curioso foi o resultado inicial desse concurso promovido pela Prefeitura do Rio de Janeiro: a vencedora inicialmente foi “Touradas em Madrid” do Braguinha e Alberto Ribeiro, com “Pastorinhas” em segundo lugar; mas houve protestos com a alegação de “Touradas em Madrid” ser “paso doble” e não “marchinha”; após muita discussão a vencedora foi “Pastorinhas” do mesmo Braguinha e Noel. É até hoje grande sucesso de carnaval e de público.

Extraído de Dárcio Fragoso

Tags: braguinha / caldas / noel / pastorinhas / petra /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Paulo Roberto Victer disse:

Quando uma grande música não dá certo, por certo os compositores se perguntam :
” Onde foi que eu errei ?” Nesse caso eu não sabia dessa passagem, mas Braguinha com toda a sua genialidade, fez uma nova roupagem na letra e a eternizou. Mal comparando : foi aquela pitada de tempero na comida, que já estava pronta, para ser aquele sucesso.