Vagamente

Roberto Menescal & Ronaldo Bôscoli

Wanda Sá foi descoberta, ao lado de Roberto Menescal, no programa “Dois no Balanço”. Foi por meio dele que o então presidente da RGE, Benil Santos, a conheceu e incentivou Menescal a fazer um disco dela, que acabou sendo lançado em agosto de 1964.

O álbum é fruto da união de duas turmas, a do Roberto Menescal (Carlinhos Lyra, Tom Jobim, Oscar Castro Neves etc.) com a da estreante Wanda Sá (que incluía Francis, Marcos Valle e Edu Lobo).

“Vagamente” não foi só o disco de estreia de Wanda Sá, mas a primeira vez de toda a turma. Foi a sua estreia como cantora, a do Menescal como produtor, mas a de muita gente também. Foi um disco que ficou cult porque trazia essa marca, das estreias, e também por ser um disco de pura bossa nova. Nele entram a gravação da primeira parceria de Edu Lobo com Vinicius de Moraes (‘Só me faz bem’), e a música “Inútil paisagem” de Tom Jobim , que recebeu de presente do maestro, para lançá-la.

Extraído de http://www.lencoisjazzeblues.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Wanda Sá-Vagamente (1964)

Márcio Paluma

Esse discaço é, na minha opinião, um dos melhores da bossa nova. Produzido por Roberto Menescal tem várias composições de clássicos da bossa como Tom Jobim, Marcos Valle, Geraldo Vandré, Edu Lobo, Vinicius de Moraes e entros mais grandes mestres…O álbum da paulistana Wanda Sá foi o primeiro de sua carreira que se tornaria logo clássico de alto nível.

Esse disco tem a instrumental muito bem construída. A voz suave de Wanda combina perfeitamente com as composições de Jobim e Vandré que ficou perfeita a tracklist. Esse álbum é o do tipo do qual não se deve pular nenhuma música boa e é pedida para se ouvir com calma num sábado a noite.

Extraído de http://cantodovinil.blogspot.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

Wanda Sá, nascida em São Paulo, com um mês de idade sua família mudou-se para o Rio de Janeiro. Começou a estudar balé aos seis anos, surgindo nessa época a paixão pela música. Aos 11 anos passou a tocar violão. Na adolescência assistia a shows da bossa nova sentada na primeira fila, observando as mãos dos violonistas e memorizando os acordes executados pelos instrumentistas no braço do violão. Matriculou-se aos 13 anos na academia de violão de Roberto Menescal e, em 1962, já era professora da academia de violão que o compositor mantinha com Carlos Lyra na Rua Dias da Rocha, em Copacabana.

Começou profissionalmente em 1962, se apresentando no programa “Dois no Balanço”, com direção da dupla Miéle e Bôscoli, levado ao ar pela TV Excelsior em transmissão ao vivo e do qual participaram também Tom Jobim, Sérgio Mendes e o Bossa Rio. Em 1964, gravou seu primeiro disco, “Wanda vagamente”, produzido por Roberto Menescal e lançado pela RGE, com arranjos orquestrais assinados por Eumir Deodato. No repertório estão as primeiras músicas de Edu Lobo, Francis Hime e Marcos Valle, além da canção “Encontro”, de autoria da própria cantora, em parceria com Nélson Motta, do sucesso “Vagamente” (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli) (Confira em ‘O tempo não apagou’) e a canção “Inútil Paisagem” (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), lançada por ela nesse disco.

Extraído de http://musicariabrasil.blogspot.com.br

 

X.X.X.X.X.X.X.X.X.X.X

 

A canção “Vagamente” recebeu suas primeiras gravações no ano de 1963. Uma delas foi de Pery Ribeiro (ouça adiante!).

Pery Ribeiro(1963)

Tags: Boscoli / Menescal / Pery / Vagamente / Wanda /
  • Compartilhe:

Escreva um comentário:

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *